Receita vasculha redes sociais em busca de sinais de sonegação

5/5
receita vasculha redes sociais

Receita vasculha redes sociais em busca de sinais de sonegação. Ostentar um padrão de vida para amigos e familiares nas redes sociais e declarar outro no Imposto de Renda pode sair caro para o contribuinte, e a Receita Federal tem reforçado cada vez mais a fiscalização em sites e redes sociais em busca dessas inconsistências financeiras.

As informações obtidas on-line viram ponto de partida para uma investigação mais detalhada dos auditores, afirma Flavio Vilela, coordenador-geral de Fiscalização da Receita. “A gente usa a internet como subsídio.

Toda fiscalização é feita com base numa análise de risco, a partir de um algoritmo que varre a internet com palavras-chave e vincula um determinado perfil a critérios já programados,” explica.
Com esse mapeamento, a Receita consegue identificar casos de “laranjas” usados por empresas para sonegação. “A gente fiscaliza uma empresa e vê que o nome que está no contrato social não tem capacidade financeira ou conhecimento para ser sócio. O dono de uma empresa com faturamento de R$ 100 milhões no ano e que posta foto de churrasco da favela. É dono da empresa? Não. Aí vamos atrás de quem é o dono, a partir dos contatos dessa pessoa”, afirma.

Esse cruzamento de informações é feito tanto em redes sociais quanto a partir de dados on-line disponíveis em cartórios, diz. “Consigo pegar um laranja que não tinha qualquer vínculo com a empresa, porque colocamos essas pessoas numa grade de relacionamento. Montamos uma relação passando por cinco, seis pessoas”.

Esses dados vão ser reunidos e alimentam o processo formal de busca de provas contra o contribuinte que está ocultando informações. Depois que é feito o vínculo entre o patrimônio e a pessoa, a Receita tem base para fazer o lançamento tributário e cobrar eventuais impostos que tenham sido sonegados.

Segundo Vilela, o contribuinte não precisa se preocupar com o que posta nas redes sociais. “A única questão é declarar corretamente. Se declarar corretamente, pode fazer o que quiser na internet,” ressalta.

Omitir as informações pode sair caro para o contribuinte. Segundo Bianca Xavier, especialista em Imposto de Renda e sócia do setor tributário no Siqueira Castro Advogados, a multa é de 75% do imposto devido, além da cobrança de 27,5% de IR sobre o bem.

Se a Receita entender que houve fraude, a multa pode chegar a 150% do imposto devido, além dos 27,5% de IR.

Fonte: http://www.valor.com.br

O que você achou deste artigo? Então, siga os nossos perfis no Facebook , Instagram e no Twitter para ter acesso a outros conteúdos relevantes!

Gostou do conteúdo? Compartilhe com alguém que precisa ler:

Leia também:

"Conhecimento gera liberdade!"

Este blog é criado e mantido com carinho pela equipe da Sismais.
Acompanhe as novidades do Blog nas redes sociais:

Mais Vistos

Posts Recentes

Diferença entre TEF e POS

Ao possuir um estabelecimento, é importante que os métodos de pagamento sejam variados e acessíveis aos clientes, não é mesmo? Por isso, um dos meios

Fidelizar cliente
Dicas essenciais para fidelizar clientes

Os clientes são, sem dúvidas, peças essenciais para o crescimento de qualquer empresa. Afinal, são eles que ditam o faturamento de uma organização e, consequentemente,

Cadastre-se para receber nossas novidades por e-mail!

Receba nossos e-mails sobre negócios, tributação, finanças, estoques e outros…

Prometemos não enviar SPAM.